Pastas e escovas: perguntas freqüentes

Uma boa higienização depende de bons instrumentos. A pasta dental e o líquido fluoretado que usa após a escovação são chamados dentifrícios. Cremes dentais muito concentrados e escovas muito duras podem causar lesões aos dentes, a abrasão.

Esse desgaste na superfície dentária pode causar a exposição de partes internas do dente e, conseqüentemente, à sensibilidade exagerada aos extremos de temperatura (frio e calor). Apesar de haver disponibilidade de inúmeros produtos, como cremes dentais específicos para indivíduos com hipersensibilidade dentária, a prevenção deve ser prioritária.

Para esclarecer suas dúvidas, a Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas (APCD) responde algumas questões sobre a pasta e a escova de dente.

 

Para que serve a pasta de dente?

A efetividade da remoção de placa bacteriana é 70% maior quando se usa dentifrício. Além disso, a formação de uma nova de placa é reduzida em 45%com o uso do creme dental. Embora o dentifrício não seja indispensável para a remoção de placa, tem-se comprovado a sua importância para garantir a limpeza e o polimento dental.

 

Qual a quantidade de pasta ideal?

A quantidade de pasta só tem relevância quando se trata de crianças com menos de 6 anos, que podem ingerir dentifrício involuntariamente ao escovar os dentes. Uma quantidade pequena deve ser usada, para reduzir a ingestão de flúor.

Recomendamos a técnica transversal: ao invés de se colocar pasta em toda extensão da escova, cruza-se esta com o dentifrício.

 

Qual a diferença entre pasta dental anticárie, antitártaro e antiplaca?

A anticárie contém flúor, e a antitártaro contém, em acréscimo, substâncias que reduzem a formação de tártaro. Deve-se esclarecer que os dentifrícios antitártaro não removem cálculo dental mecanicamente, o que deve ser feito pelo dentista ou pessoal auxiliar; o dentifrício interfere apenas em sua formação. As pastas antiplaca contêm substâncias antimicrobianas.

 

Qual a função do bicarbonato de sódio?

Por ser o bicarbonato de sódio uma substância alcalinizante e tamponante, hipoteticamente ele poderia neutralizar os ácidos produzidos na placa dental quando da exposição a açúcar.

 

Existe diferença na abrasividade das pastas?

Existem dentifrícios de abrasividade baixa, média e alta. Deve-se enfatizar que um abrasivo no dentifrício é fundamental para garantir a limpeza e o polimento dental.

Desgaste e abrasão dental estão mais relacionados com o modo de escovar, o tipo de escova, as substâncias ácidas (refrigerantes, enxaguatórios, frutas) consumidas ou usadas antes da escovação do que com o poder intrínseco do abrasivo.

Como funcionam e quais os tipos de pastas clareadoras? Existem contra-indicações?

0 princípio básico está no poder oxidante do peróxido, que descora os dentes ao oxidar pigmentos dentais, promovendo assim uma "remoção" química. A princípio não há contra-indicação, mas, à semelhantes tipos de dentifrícios, deve haver racionalidade na indicação.

 

Qual a pasta ideal?

De modo geral, a indicação é a pasta fluoretada, mais recomendadas em casos particulares.

 

Qual a diferença entre pasta, gel ou creme na efetividade das pastas dentais?

Nenhuma, e é impossível fazer qualquer inferência quanto a flúor, abrasividade, efeito antiplaca, antitártaro etc. pela simples aparência de um dentifrício.

 

Qual é a escova ideal?

A escova ideal para dentes naturais deve ser macia ou extramacia. Para uma boa escovação dental, é necessário escovar as gengivas e as escovas duras, além de machucarem a gengiva, podem desgastar os dentes, provocando sensibilidade, e a retração gengival, que afeta a estética do sorriso e também provoca dor.

Deve-se comprar uma escova que atenda as seguintes especificações: cabeça pequena, cerdas macias e arredondadas e tufos concentrados.

 

Quanto tempo devo usar a escova?

Uma escova com cerdas extramacias ou macias costumam durar no máximo 30 dias. Após esse período, as cerdas começam a abrir e perder sua efetividade.

As escovas elétricas são melhores que as manuais?

Normalmente as escovas elétricas têm sido indicadas a pacientes especiais que tenham algum tipo de dificuldade motora para fazer uso da escova comum e, especialmente, a pacientes geriátricos que tenham alto risco às cáries radiculares e também à doença periodontal.

O uso da escova elétrica, nesses casos, serve de estímulo para que o paciente mantenha
sua saúde bucal mesmo tendo dificuldades motoras. Quando forem indicadas, é importante salientar que as escovas sejam macias ou extramacias e, se possível, que tenham movimento elíptico durante o seu uso.

 

Que escova devo usar se estiver com gengivite?

Às pessoas que têm doença periodontal indica-se o uso de escovas com cerdas extramacias e escovas do tipo tufo, que escovam dente a dente, fazendo uma remoção mais eficiente da placa bacteriana.

 

Qual escova as pessoas que usam aparelhos devem usar?

Às pessoas que usam aparelho ortodôntico indica-se escovas especiais como a bitufo, a sulcus (duas fileiras de cerdas) ou a Orthodontic (cerdas com depressão em forma de V) em meios auxiliares no controle da higienização.